A intensidade do aumento de preços da gasolina e do diesel anunciado nesta sexta-feira pela Petrobras já fazia parte das expectativas de inflação e não muda a política monetária, afirmou à Reuters uma importante fonte da equipe econômica nesta sexta-feira.
"Já estava na conta", afirmou a fonte, que falou sob condição de anonimato, acrescentando que nem mesmo as expectativas de inflação no mercado e de especialistas devem mudar com os reajustes aplicados.
A estatal petroleira anunciou aumento de 4% nos preços da gasolina e de 8% no diesel nas refinarias. Segundo especialistas, o consumidor deve sentir uma alta de cerca de 3% da gasolina na bomba. O Banco Central prevê aumento de 5% nos preços finais da gasolina neste ano, segundo a última ata do Comitê de Política Monetária (Copom).
A fonte avalia que o reajuste da Petrobras, ao não afetar as expectativas de inflação, não muda o rumo da política monetária. Desde abril, o BC elevou a taxa básica de juro Selic de 7,25% para 10% ao ano para conter a inflação, que ronda os 6% em 12 meses. A Petrobras também divulgou uma nova política de preços de combustíveis, sem sinalizar claramente como ela funciona.
Numa avaliação preliminar, a fonte da equipe econômica disse que o fato de a empresa ter anunciado que foi aprovada uma nova política de preços foi uma decisão "equilibrada". Isso porque, de um lado, evitou a indexação dos preços dos combustíveis e, de outro, pode gerar alguma previsibilidade no gerenciamento dos preços para a estatal.
"O importante é ter equilíbrio de médio a longo prazos, e não volatilidade constante (nos preços dos combustíveis)", afirmou a fonte.
ReutersReuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expressamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.